O Amante Japonês | Resenha crítica do livro de Isabel Allende!

2 meses atrás
204

“Você me explicou que da quietude nasce à inspiração

e do movimento surge a criatividade”.

 

O livro O Amante Japonês de autoria da escritora Isabel Allende consegue ser uma bela ilusão pelo título e capa, quem acha que vai adquirir um livro de romance bem sereno e previsível será enganado. Allende traz em sua escrita uma história surpreendente e fora dos clichês românticos de época, mostrando as dificuldades sofridas naquele tempo. Porém, extremamente apaixonante.

A autora deixa bem clara suas peculiaridades desde o início da obra; a narrativa em terceira pessoa, e sofrendo alteração de acordo com a visão dos personagens e ao mesmo tempo em que várias histórias são explicadas.

O livro tem inicio numa casa de repouso para idosos nos apresentando a jovem cuidadora Irina que tem sua curiosidade desperta por Alma Belasco, uma senhora que não cria laços com ninguém e tem o costume de ficar afastada de todos. Irina consegue fazer amizade com a senhora Belasco e torna-se sua assistente particular, com o tempo a cuidadora conhece o neto da senhora reclusa – Seth Belasco, que cria um interesse amoroso na assistente de sua avó. Com pretexto de visitar ainda mais a senhora, para se aproximar cada vez mais de Irina, eles vão se aproximando.

Entre as conversas após o expediente da moça, eles acabam conversando sobre os mistérios que Alma esconde tão profundamente em seu silêncio. Do interesse inicial e a procura profunda, eles descobrem uma paixão de 70 anos – cultivada e guardada com extremo carinho em silêncio por Alma. Enquanto tentam compreender essa paixão, os três personagens são inseridos por cenários arrasadores e muitíssimo bem descritos, com detalhes exorbitantes e encantadores, prendendo a atenção daquele que lê, o teletransportando para as memórias de Alma.

 Durante o decorrer da obra, voltamos diversas vezes ao passado, podendo ser possível conhecer a infância da então jovem Alma Belasco e seus dois grandes amores: Ishimei e Nathaniel; além de vermos os horrores causados pela Segunda Guerra Mundial, que trouxe consigo o preconceito racial envolvido na época. Somos apresentados as origens e traumas de Irina; além de toda a trajetória dos personagens principais, alguns secundários com histórias atreladas aos protagonistas, com o passar dos anos.

 

“Não reconhecia muitas das pessoas nas fotos, gente sem importância de seu passado, que podia ser eliminada. Nas outras, as que Irina colava nos álbuns, era capaz de apreciar as etapas da sua vida, o passar dos anos, aniversários, festas, férias, formaturas e casamentos. Tratava-se de momentos felizes; ninguém fotografava as dores.” 

 

É perceptível que a escrita de Allende sofre pequenas mutações, em certos momentos é irônica e em outros é objetiva para narrar os acontecimentos. Entretanto, existe uma sensibilidade e uma intensidade, como uma antítese; parecem ser paradoxais trazendo uma marca registrada na escrita da autora e ao mesmo tempo, uma identidade ligada à própria figura complexa de Alma.

O livro trata de alguns assuntos presentes no nosso cotidiano, outros um pouco mais polêmicos e complexos de uma forma calma e muito bem construída. Passamos a obra inteira alternando entre a casa de repouso e o casarão exuberante da família Belasco, pelos campos destroçados pela guerra. Além de mostrar muitos preconceitos, que infelizmente ainda são encontrados atualmente, mas que na época de juventude de Alma era um verdadeiro escândalo ver ou ouvir tais assuntos.

Também tratam de explorar uma pequena parte da psique humana, aprofundando lentamente nos dilemas, escolhas e obstáculos enfrentados pelos personagens. O Amante Japonês é uma obra mostra questões trabalhadas como construções de identidade, inseguranças e redenções; além de mostrar a persistência e vitória de um amor mesmo enfrentando diversidades impostas diariamente ao exercício de viver.

Capa alternativa do livro

Temos como sinopse oficial:

Uma paixão secreta que perdurou por quase setenta anos Em 1939, ano da ocupação da Polônia pelos nazistas, Alma Mendel, de oito anos, é enviada pelos pais para viver em segurança com os tios em São Francisco. Lá, ela conhece Ichimei Fukuda, filho do jardineiro japonês da família. Despercebido por todos ao redor, um caso de amor começa a florescer. Depois do ataque a Pearl Harbor, no entanto, os dois são cruelmente separados. Décadas depois, presentes e cartas misteriosos são descobertos trazendo à tona uma paixão secreta que perdurou por quase setenta anos. Varrendo através do tempo e abrangendo diferentes gerações e continentes, O amante japonês explora questões de identidade, abandono, redenção, e o impacto incognoscível do destino em nossas vidas”.

 

O Amante Japonês escrito pela autora Isabel Allende e publicado pela editora Bertrand Brasil, é possível encontrá-lo em à venda em diversas livrarias do Brasil.