BABY

“Se você tem 16 anos e mora no bairro mais bonito de Roma você tem sorte. O nosso é o melhor dos mundos possíveis, mesmo que tudo pareça perfeito para sobreviver precisamos viver uma vida secreta”

Aparentemente mais uma série de adolescentes da alta sociedade com problemas comuns, mas não, a série vai muito além do que uma simples sinopse de séries adolescente polêmicas que já assistimos milhares de vezes.

Baseada em fatos reais, a série Baby estreou no dia 30 de Novembro na plataforma de streaming da Netflix, e já está colhendo os frutos devido à polêmica da temática apresentada. A trama é retratada num bairro nobre de Roma, onde duas adolescentes acabam descobrindo um mundo proibido para sucumbir seus problemas pessoais conduzindo-as á um caminho de escolhas erradas.

Embora muitos tenham declarado a série como um instrumento contribuinte para a apologia ao tráfico sexual de menores de idade, o enredo da trama apresenta um diálogo entre as personagens de forma que o foco seja o ponto de vista das duas adolescentes, principalmente no que se diz a respeito aos dramas pessoais de cada uma e suas escolhas, o que fez a Netflix ser acusada de romantizar a questão do tráfico sexual.

A história é baseada no escândalo “Baby Squillo”, na qual eram promovidos encontros de adolescentes com idade entre 14 e 16 anos com homens mais velhos da alta sociedade italiana. Dentre as dezenas de pessoas acusadas de fazerem parte deste escândalo, está o marido da neta do ex ditador italiano Benito Mussolini.

A série é sim polêmica, mas a narrativa e escolha dos personagens foram muito bem elaboradas, assim como a construção do enredo. Cada personagem possui uma característica particular, com histórias a serem desenvolvidas fazendo com que a segunda temporada seja necessária para entendermos muitas questões que ficaram no ar.

[amazon_link asins=’B07CGGG3W7,B00OGRMULA,B079ZKT9G8,B07C63PJ6P,B01ETRGEIG,B005ZXWMUS’ template=’Carrousel’ store=’alternativane-20′ marketplace=’BR’ link_id=’72c7e5d8-0246-11e9-a07c-2bcba63db056′]